• UFRJ Nautilus

Gestão de Conhecimento em equipes de competição universitárias

Atualizado: 12 de mai.

A Gestão do Conhecimento se refere a uma série de ações estratégicas que podem ser tomadas para armazenar e divulgar o conhecimento gerado em uma organização, afim de que esse conhecimento não seja perdido. Da mesma forma, esse tipo de gestão é necessário para que o conhecimento gerado seja partilhado entre os membros da organização que irão executar uma tarefa em que ele seja necessário.


É muito importante que equipes de competição adotem estratégias de gestão do conhecimento, já que em geral o tempo de permanência dos membros nas equipes é bastante curto se comparado com o tempo de permanência de colaboradores em uma empresa. Logo, sem métodos de gestão de conhecimento, todo o conhecimento que o membro gerou ou obteve na equipe se perde quando o mesmo decide sair.



Tipos de conhecimento


Para facilitar a organização dos conhecimentos originados dentro de uma instituição (nesse caso, de uma equipe) são divididos entre conhecimentos tácitos e explícitos. O primeiro se refere a conhecimentos particulares adquiridos por cada um a partir de experiências, o que o torna um conhecimento não formalizado e de mais difícil acesso, visto que é gerado individualmente. Conhecimentos explícitos são formalizados, ou seja, armazenados e transmitidos aos membros através de aulas, palestras, workshops, cursos, entre outros.


Devido a essas diferenças, o objetivo de gestão de conhecimento em equipes de competição deve ser a coleta e armazenamento dos conhecimentos tácitos adquiridos pelos membros durante sua permanência na equipe, e sua posterior organização de forma que qualquer membro possa ter acesso a eles.


Etapas e Objetivos da Gestão de Conhecimento em equipes universitárias


O primeiro passo para a criação de um sistema de gestão de conhecimento eficiente em uma equipe universitária deve ser o mapeamento da geração do conhecimento dentro da organização. Para isso, na Nautilus fazemos reuniões semanais de cada área para que cada membro relate o que foi feito durante a semana, o que foi pesquisado e produzido. Ao final do desenvolvimento de cada projeto, os membros produzem um read me, um documento onde delineiam as etapas do processo de desenvolvimento do projeto, os erros cometidos, as soluções encontradas e todas as informações consideradas pertinentes. Esse registro é importante para que os membros futuros, caso voltem a desenvolver um projeto semelhante, não precisem iniciar tudo do zero, tornando o processo de desenvolvimento mais ágil. Além disso, o relato dos erros e soluções encontradas é imprescindível para que os mesmos erros não voltem a ser cometidos e, caso no futuro se encontre um entrave ao projeto já experimentado anteriormente, os membros possam ter acesso às soluções encontradas.


Além das reuniões semanais com cada área, existem reuniões gerais quinzenais onde os membros são incentivados a comentarem sobre seus projetos e os principais desafios que estão enfrentando. Isso reforça e incentiva a comunicação entre os membros, de modo a tornar mais natural a exposição e explicação do trabalho feito a alguém que não necessariamente tem os mesmos conhecimentos específicos. A comunicação é a essência da gestão de conhecimento, pois sem ela não há transmissão de informação de um membro para outro.


Por fim, uma ferramenta digital utilizada pela equipe tanto para organização, quanto para acompanhamento de projetos, é o Trello, que possibilita que todos vejam no que os outros estão trabalhando e que as mídias dos projetos (incluindo o próprio read me) sejam anexadas no quadro da equipe, o que torna o acesso às informações mais rápido, intuitivo e democrático.


Escrito por Lidia Paúra


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo